Av. Professor Alfonso Bovero, 1057 - cj 122 - Pompeia - São Paulo - SP - 05019-011

Transtorno Bipolar

1.jpeg
Caracteriza-se pela alternância entre HUMOR DEPRIMIDO (episódios depressivos) e HUMOR EUFÓRICO (episódios maníacos). Portanto, trata-se daquele indivíduo “inconstante”. Ora está inquieto, animado, “feliz”, ora está deprimido, triste, desesperançoso.

A perturbação do humor é grave o suficiente para causar prejuízo significativo no funcionamento global do indivíduo, trazendo sérios problemas pessoas, interpessoais, sociais e ocupacionais.

Os episódios Maníacos podem incluir características psicóticas e podem levar à necessidade de hospitalização, devido a gravidade da perturbação do humor (sintomas acentuados)

Além de episódios maníacos, pode se manifestar por alternância entre humor deprimido e HIPOMANIA (episódios hipomaníacos) que se caracterizam por humor expansivo ou irritável com aumento da energia por no mínimo 4 dias seguidos, sendo estes sintomas mais “brandos” (leves). Neste caso, muitas vezes o Transtorno Bipolar não é observável adequadamente pois a hipomania pode ser confundida com uma “melhora” do episódio depressivo, devido tratar-se de episódio maníaco LEVE (sintomas menos acentuados)              
46.jpeg

Como se manifesta ?

Se manifesta de duas formas:

- Transtorno Bipolar I – considerado como “CLÁSSICO”. A pessoa apresenta no mínimo um episódio maníaco na vida (humor expansivo ou irritável, com aumento da energia) com duração mínima de uma semana, podendo anteceder ou seguir de episódios hipomaníacos ou depressivos. Para este diagnóstico não há exigência de que o indivíduo tenha apresentado algum episódio de depressão, porém o que se observa é que a maioria das pessoas neste quadro, já apresentou episódios depressivos no curso de suas vidas. Caracteriza-se, portando, de episódio MANÍACO, como principal critério diagnóstico.

Episódio Maníaco se caracteriza pelos seguintes sintomas:

- Humor elevado
- Aumento da energia
- Auto-estima inflada
- Poucas horas de sono sem cansaço físico
- Pensamentos acelerados
- Distração
- Agitação Psicomotora
- Fala rápida
- Compras excessivas e compulsivas (Oniomania)
- Aumento da atividade sexual
- Inquietação Interna.

 
Episódio Depressivo se caracteriza pelos seguintes sintomas:

- Humor deprimido na maior parte do dia
- Diminuição do interesse
- Excesso de apetite ou inapetência
- Insônia ou hipersonia (dormir muito)
- Agitação ou lentidão Psicomotora
- Perda de energia
- Fadiga
- Culpa excessiva
- Sentimento de inutilidade
- Pensamentos catastróficos e negativados

 
- Transtorno Bipolar II – CONSIDERADO O MAIS COMUM. Se caracteriza por um episódio HIPOMANÍACO atual ou anterior com um episódio depressivo atual ou anterior. Isto é, existe como critério diagnóstico, a necessidade da alternância entre episódios hipomaníacos (humor expansivo) e depressivos (humor deprimido).

O episódio hipomaníaco não se apresenta de forma “grave”, sendo mais leve que a MANIA, por isso a nomenclatura HIPOmania. Não se apresenta suficientemente acentuado a ponto de causar prejuízos significativos nas atividades rotineiras do indivíduo. Não há características psicóticas e nem leva à demanda de internação. Por esta razão, muitas vezes a perturbação do humor é observável por pessoas próximas e não pelo próprio portador que na verdade se sente “bem” devido ao aumento da energia, na maioria das vezes.

 
- Transtorno Ciclotímico - Tem como principal característica a OSCILAÇÃO DO HUMOR entre sintomas hipomaníacos (sem gravidade suficiente para preenchimento de critérios da hipomania convencional) e sintomas depressivos (sem gravidade suficiente para preenchimento de critérios para classificação de episódio depressivo convencional), distintos entre si, envolvendo vários períodos tanto de um episódio quanto de outro. Refere-se à rápidas oscilações do humor.

​Causas Genéticas: Se alguém da família for portador de Transtorno Bipolar, há um risco acentuado em herdar geneticamente a doença. Quanto mais próximo o grau de parentesco, maior o risco.

O maior risco da doença quando não tratada é o grande índice de suicídio e excesso ou abuso na ingestão de substâncias psicoativas, incluindo álcool.

 

Tratamento

O mais eficaz é o medicamentoso combinado ao Psicoterápico.

TRANSTORNO BIPOLAR não tem cura. Requer acompanhamento psicológico/médico (medicamentoso) continuado para CONTROLE da doença.

Psicoterapia: A psicoterapia Cognitivo-Comportamental é indicada, atuando no reconhecimento e maior entendimento acerca da doença, além de ajudar o indivíduo a identificar pensamentos disfuncionais que levam a um maior sofrimento emocional, pertinentes à sensação contínua de inadequação e culpa.