Av. Professor Alfonso Bovero, 1057 - cj 122 - Pompeia - São Paulo - SP - 05019-011

Esquizofrenia

7.jpeg
Doença mental crônica, que apresenta várias manifestações e sintomas que afetam o funcionamento psíquico. Se caracteriza pela RUPTURA com a realidade. Os sintomas envolvem uma série de disfunções cognitivas, emocionais e comportamentais, levando a prejuízos importantes em diversas áreas da vida do indivíduo, tais quais: sociais, ocupacionais, interpessoais e aspectos ligados ao  autocuidado. Se manifesta, comumente entre o fim da adolescência e meados dos 20 anos, podendo se manifestar, em alguns casos, na infância (início precoce) e após os 40 anos (início tardio). Os primeiros sintomas podem surgir de forma abrupta, porém o mais comum é a manifestação lenta e gradual dos mesmos.

O portador de ESQUIZOFRENIA, comumente se sente perseguido, com dificuldades e déficits na atenção, concentração e memória, apresentando prejuízos na aprendizagem, pensamento concreto (dificuldade em abstrair), lentificação do pensamento, impulsividade na tomada de decisões e dificuldade no planejamento em executar tarefas.

O isolamento e restrição ao convívio social e/ou familiar ocorre com freqüência, assim como prejuízos na capacidade de autonomia.

Algumas pessoas apresentam comportamentos repetitivos e rígidos (por ex. hábitos relacionados a alimentação, higiene, rotinas de atividades).

A agressividade pode estar presente, devido à “ataques de raiva” ou reações impulsivas  (principalmente nas fases agudas da doença), porém não é uma característica típica ou critério diagnóstico para ESQUIZOFRENIA.
38.jpeg

Sintomas

- Delírios (perda da noção do que é real do “fantasioso”)
- Alucinações (escutar vozes, ver vultos, etc)
- Desorganização no discurso
- Desorganização psíquica
- Perda de crítica e julgamento
- Comportamentos inadequados, desorganizados ou catatônico (passividade/rigidez/corporal/mutismo)
- Experiências perceptivas incomuns
- Comportamento psicomotor “anormal”, podendo se manifestar por agitação psicomotora
- Expressão emocional diminuída
- Avolia (falta de vontade ou ausência do “querer”
- Solilóquios (falar sozinho)
- Risos imotivados (rir sem motivo aparente)

Causas

Estudos apontam co-relação como fatores de risco em indivíduos que passaram por complicações no período de gestação ou nascimento, com hipoxia (diminuição ou baixa concentração de oxigênio nos tecidos) e idade avançada dos pais.

Estresse, infecções, desnutrição e diabetes por parte da mãe, também são fatores observáveis que podem contribuir. Porém cabe ressaltar que, na maioria dos casos citados acima, não há o desenvolvimento da doença em pessoas que vivenciaram tais situações.

 

Tratamento

Psiquiatria: A ESQUIZOFRENIA é uma doença “incapacitante” do ponto de vista QUALIDADE DE VIDA, com prejuízos importantes em diversas áreas funcionais. Requer, sem nenhuma outra alternativa, o uso de medicamentos. 
A ESQUIZOFRENIA sem tratamento, se cronifica e se acentua. Um episódio agudo da doença, sempre será mais agravante que o anterior. O próprio portador, dificilmente irá ter o discernimento necessário para buscar ajuda. O esperado é que o familiar o faça, na maioria dos casos.

Psicoterapia: O acompanhamento psicológico tanto ao paciente, quanto aos familiares, principalmente ao cuidador, juntamente com o tratamento medicamentoso, trará resultados mais positivos e satisfatórios. Tem a função colaborativa e psicoeducacional no que diz respeito à continuidade ao tratamento medicamentoso (uma vez que é comum à esses portadores, negarem-se pela farmacologia). Além disso, a psicoterapia auxilia na aquisição de habilidades sociais necessárias para uma vida interpessoal e ocupacional organizada.